O final de ano já está aí e é comum começar a criar expectativas para o ano que vem. Para todos os varejistas, é interessante sempre estar atento às novidades para ficar à frente da concorrência. Para os profissionais de e-commerce, especificamente, devem ficar de olhos abertos para as novas tecnologias que podem surgir nos próximos meses.

Para não perder nenhuma oportunidade, os empresários também devem se preparar, desde já, para investir nas melhores estratégias e ferramentas de que o mercado dispõe. Através disso, listamos abaixo as potenciais tendências de e-commerce em 2017:

1 - Relacionamento: a alma do negócioSendo normal a competitividade no e-commerce, as empresas necessitam disputar o laço afetivo do consumidor: o foco é na experiência de compra. Mais do que o produto ou serviço, a tendência é que o consumidor valorize a compra em si, o processo e o relacionamento da marca com o cliente.

Para ocorrer o processo de valorização, o cliente precisa também se sentir valorizado. A partir disso, os empresários precisam entender que não é apenas preciso vender um produto, mas também valorizar o cliente e impor uma relação afetiva.

2 - Omnichannel ampliadoO consumidor atual é multiplataforma. A mesma pessoa que adquire em uma loja física na sua própria cidade pode comprar pela internet em um site. O que muda não é o cliente, mas a opção de compra. Portanto, o varejo deve estar nessas multiplataformas, ou seja, em todos os canais de vendas possíveis - este é o conceito omnichannel. Em 2017, deverá haver mais opções de ferramentas que facilitam realizar esse intercâmbio.

""

3 - Mobile firstSegundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o celular é hoje o principal meio de acesso à internet.

Pesquisas mostram que o smartphone já virou uma boa alternativa na hora de realizar alguma compra, e já representa mais de 15% dos pedidos online. Com a adaptação das lojas virtuais para o mobile é de esperar um crescimento dos varejistas online no chamado m-commerce.

4 - PersonalizaçãoConteúdo (vídeos, textos, redes sociais e anúncios) e ofertas (recomendação de produtos e descontos) tendem a ser cada vez mais personalizados para o consumidor. O intercâmbio de dados junto às redes sociais permitirá ao varejo definir um perfil mais preciso da demanda, e, por consequência, trabalhar uma divulgação mais assertiva de conteúdo e ofertas, além de definir o próprio nicho de mercado atendido pela loja virtual.

Com a riqueza de novidades que estão por vir para o e-commerce, as novas tecnologias irão ajudar a fazer mais uma “leitura” inteligente das informações.

Fonte: Terra